quinta-feira, 18 de abril de 2013

Conceito para utilização de “Tag’s”


Tag’s - Normalmente quando se inicia o tagueamento de equipamentos e/ou áreas nas empresas é preciso definir qual o objetivo e abrangência desta atividade, pois a estrutura é baseada em diferentes níveis.
Empresas de pequeno e médio porte utilizam em média 5 Níveis de Tag para estruturar seus sistemas e/ou processos. Seriam eles: Nível 1 – Gerências; Nível 2 – Áreas; Nível 3 – Sistemas; Nível 4 – Aglutinadores e Nível 5 – Equipamentos, exatamente como na imagem a seguir.



Vamos identificar nível por nível.

Nível 1 (Gerências):
Quando citamos “Gerências” estamos nos relacionando a Macroprocessos que subdividem sua atuação em várias etapas na qual podemos determinar as áreas das gerências. Os macroprocessos seriam grandes conjuntos de atividades pelos quais a organização cumpre a sua missão, gerando valor. Correspondem às funções da organização que devem estar alinhadas aos objetivos de suas unidades organizacionais. Como exemplo, podemos citar: Gerência de Utilidades; Gerência de Aciaria; Gerência de Laminação, etc.
A formação deste Nível de Tag não é restritiva, mas basicamente são utilizadas duas ou no máximo três letras para determinação, exemplo: GU ou UTL (Gerência de Utilidades), GA ou ACI (Gerência de Aciaria), GL ou LAM (Gerência de Laminação).



Nível 2 (Áreas):
Neste nível determinamos as Áreas que se dividem os macroprocessos já identificados no Nível 1. Este tag é normalmente formado por três letras indicando a área propriamente dita, e três dígitos, sendo o primeiro da esquerda indicando a fase do projeto (X se concluído e 0 para o contrário) e os dois dígitos seguintes serão a Unidade de Propriedade (UP), que tem função análoga ao CEP usado nos correios. Vamos ao exemplo:



Nível 3 (Sistemas):
No Nível 3 teremos a visão dos Sistemas. A identificação deste é realizada de forma semelhante ao nível anterior. Utilizaremos como exemplo, a área CAL-101.
Imaginemos que a área CAL-101 seja composta pelos seguintes sistemas: Queima; Abastecimento de água, Abastecimento de Gás; Proteção. Teríamos então a seguinte distribuição:



Nível 4 (Aglutinadores):
Definidos os sistemas, passamos agora aos aglutinadores de cada um deles. O aglutinador será o tag responsável por reunir vários equipamentos no mesmo endereço. O aglutinador está para a gerência como a rua está para a cidade. Utilizaremos como exemplo o sistema QMD-101, definiremos seus aglutinadores e seus tags serão o do sistema, acrescido de um sequencial de três números.



Nível 5 (Posições):
Para concluir tagueamento, basta determinar as posições dos equipamentos dentro do aglutinador. A função deste será o endereço básico, ou seja, a casa onde residirá um equipamento. Utilizaremos como exemplo o QMD-101-001 e discriminaremos suas posições, que terão seu tag igual ao do aglutinador, acrescido de um novo seqüencial de três números.




Codificação de Equipamentos

A codificação de um equipamento é realizada para individualizá-lo em relação a outros semelhantes para que haja um planejamento direcionado de manutenção, da mesma forma, para que seja realizado todo o acompanhamento histórico do mesmo.  Para ficar claro, a codificação seria como a carteira de identidade do equipamento. A sugestão seria utilizar três letras e quatro números XXX-9999, por exemplo:



Lembro que estas são apenas sugestões, cada empresa deve se adaptar às suas realidades e costumes para que todo este trabalho seja utilizado pelos mantenedores.

Continue acompanhando nosso Blog, o assunto ainda não terminou!
Acesse e dê sua opinião, Compartilhe, curta no Facebook, siga no Twitter! Até a próxima postagem.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...